- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.485 LETRAS <> 2.524.500 VISITAS <> JULHO 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O livro de Job

Letra e musica de Jorge Fernando
Repertório do autor

Deixa-me olhar-te de baixo
Que eu não ascendo às estrelas
É difícil estar por baixo
E querer estar à altura delas

Porque a dúvida atormenta / Quem quer experimentar a vida
Que força as estrelas inventa / E não quer ser conhecida

Que sopro subtil e audaz / Juntou todo o universo
Que pensamento é capaz / De ser verso e ser reverso

Que espiral secreta e pura / Vai ao vértice do triângulo
Que discreta mão segura / O eixo da terra no ângulo

E a mim, quem liga ou desliga / Quando adormeço ou desperto
Que universo então me obriga / Será longe ou estará perto

Nenhuma voz respondeu / E a dúvida assim persiste
Será que Deus sempre morreu / Para nascer no que existe

E a voz que está em mim / Que é minha, mas não conheço
Diz que é princípio e que é fim / Diz que é fim e que é começo

Que construtor fala assim
Através do universo