- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lisboa dos manjericos

António Vilar da Costa / Nóbrega e Sousa
Repertório de Amália

Olha, olha para ela / Traz o mundo num balão
Ai Lisboa é sempre aquela
Ai Lisboa é sempre aquela / Que mantém a tradição

Traz São Pedro na canoa / Com a esperança que é varina
Vem lembrar as naus de Goa / Vem lembrar as naus de Goa
Dos seus tempos de menina

Ai, ai Lisboa... t
enho um beijo p'ra te dar
Vem p’ra roda e traz um par
Que esta noite é cá das nossas
Ai, ai Lisboa... q
ue cheirinho a manjerico
Deve andar no bailarico
Santo António a ver as moças
Ai, ai Lisboa... S
ão João de brincadeira
Salta a chama da fogueira
Que acenderam teus avós
Ai, ai Lisboa.... v
anta, canta, que me encanta
Pois ninguém terá garganta
P'ra calar a tua voz

Traz nos arcos e balões / Ramalhetes de cantigas
São os versos de Camões
São os versos de Camões / P'ra ensinar às raparigas

Não precisa de queimar / Alcachofras por ninguém
Não lhe falta a quem amar
Não lhe falta a quem amar / Todo o mundo lhe quer bem