- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.395 LETRAS <> 2.460.000 VISITAS <> ABRIL 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Gosto do fado vadio

Pedro Bandeira Freire / Diniz Machado / Paco Bandeira
Repertório de Maria Armanda

Gosto do fado vadio / Bem batido, ao desafio
Sem estrelas a dar nas vistas
Nas tascas à beira do rio / Não entra o fado bafio
Cozinhado p’ra turistas

Dá sopa nas cenas canalhas / De ciúme, de navalhas
Marialvas e marradas
Dá com os pés nos mirones / E manda a casa os camones
Que querem fado e touradas

O fado é chama do presente
Labareda do passado
Queimando a alma da gente;
É tempo de cantar honestamente
Os fados que a gente sente

Ó fado de antigamente / Do futuro e do passado
És o mais apreciado
És vadio, felizmente / Porque és povo, porque és gente
Nunca és ultrapassado

Ó velho fado de outrora / Que cá dentro se demora
A mexer com sentimento
Salta mas é cá p’ra fora / Porque agora está na hora
De mostrares o teu talento

Ai é tão caro este fado / Ao povo que o quer cantado
Dado de mesa p’ra mesa
Por isso é que o fado vadio / É mais povo, mais sadio
E mais nosso, concerteza

Quem canta desta maneira / Tem presente à sua beira
A alegria ou a tristeza
Canta a saudade, a ternura / A amizade e a aventura
Da língua que é portuguesa