- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A tasca da Marinela

Letra e musica de Manuel Alcobia
Repertório de António Pinto Basto

Na tasca da Marinela / Canta-se o fado vadio
E eu canto ás vezes com ela / Fadinhos ao desafio

Serve ás mesas com tal proa / Mas nunca vai na cantiga
Muitos dizem que ela é boa / Que ela é boa rapariga

Um caldo verde e uma rodela de chouriço

Venha lá isso, venha lá isso
Mais um pastel de bacalhau, mas bem quentinho
Venha lá isso, venha lá isso
Venha de lá o canjirão desse bom vinho
Venha lá isso, venha lá isso
E enquando o vinho escorrega
E o caldo verde fumega
Vai um fado trinadinho que hoje a malta é do castiço
Venha lá isso, venha lá isso

Sózinha, a Marinela / Nunca se vê namorar
Se alguém se mete com ela / Diz que sim, mas a brincar

Se há conversas atrevidas / Ela não acha piada
E ali, sem meias medidas / Corre com tudo á estalada