- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.555 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fadista louco

Domingos Gonçalves da Costa / Francisco Viana *avé-maria fadista*
Repertório de António Mourão

Este tema também aparece com o título *Lenda fadista*

Contaram-me ainda há pouco
Que à noite p'la Mouraria
Andava um fadista louco
Sem saber o que dizia

Falava na Amendoeira / Na Guia, no Capelão
Na Rosária camiseira / E na tasca do Gingão

Metido numa samarra / Melenas em desalinho
Cantava um fado velhinho / Dedilhando uma guitarra

Louco, gritou p'la Severa / E quando a manhã surgiu
Quando alguém quis ver quem era / Nunca mais ninguém o viu


Então fiquei meditando / Que o louco que ninguém via
Era a saudade chorando / A morte da Mouraria