- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Campino

Fernando Santos / Raul Ferão
Versão do repertório de Carlos Ramos

-
Criação de Estevão Amarante na revista *Cartaz de Lisboa* 
Teatro Maria Vitória em 1937
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*
-
Mal canta o galo
Ainda o sol não é nado
Monto a cavalo
E vou p'ra junto do gado
E os animais
Essas tais feras bravias
Com os seus olhos leais
Parecem dar-me os bons dias


Pampilho ao alto
Corpo firme no selim
Nunca tive um sobressalto
Se um toiro investe p'ra mim
Já disse um homem
Que foi toureiro afamado
Mais marradas dá a fome
Do que um toiro tresmalhado

Quando anoitece
E o gado dorme p'lo chão
Rezo uma prece
Por alma dos que lá estão 
P'ra que as searas
Cresçam livres de tormenta
E o mal não mate as pearas
Nem os novilhos de têmpera


Mas quando as cheias 
Destroçam pastos e trigo
E há miséria nas aldeias
Eu vou pensando comigo
Já disse um homem
Que foi toureiro afamado
Mais marradas dá a fome
Do que um toiro tresmalhado


Excepcional descrição, algo bucólica, da vida quotidiana do campino
que não se alterou muito de 1937 para cá. 

Apenas as «marradas da fome» e a «miséria nas aldeias» estarão hoje mais
atenuadas e, mesmo assim, não se sabe. As cheias, essas, quase deixaram
de existir com a construção de barragens ao longo do Tejo. 

Mas quanto aos aspectos profissionais, o campino continua a desempenhá-los
como descrito nesta letra, verdadeira pintura em verso.