- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Alice

Rui Eduardo Rocha / Luís Miguel Rebelo
Intérprete: Raquel Peters


Perdi a conta às vezes que ouvi
A tua boca a dizer mal de ti
Que te roías de inveja e ciúme
E a tua vida era mágoa e queixume

Perdi a conta às horas passadas
A ouvir tristezas de amor recalcadas
Que te sentias sozinha no mundo
Que a tua dor era um poço sem fundo

Quantas vezes eu te disse, Alice
Que essa coisa da paixão é tolice?
Faz o coração bater desgarrado
E sem saber a quem ouvir
Quantas vezes eu te disse, Alice
Que essa coisa do amor é uma chatice?
Um coração a sofrer maltratado
E sem saber o que sentir

Perdi a conta ao choro e ao pranto
Mais uma vez te encostaste a um canto
Perdeste a esperança de te ver feliz
Só queres ouvir o que ninguém te diz

Perdi a conta às preces conjuntas
E às respostas sem terem perguntas
Chegou a hora de parar p'ra pensar
Só quem se ama se deixa amar

Quantas vezes eu te disse, Alice
Que essa coisa da paixão é tolice?
Faz o coração bater desgarrado
E sem saber a quem ouvir

...a quem ouvir
...o que sentir
...a quem ouvir