- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lisboa Pessoa

Letra e musica de Paco Gonzalez
Repertório de José Manuel Castro 


Amante de poetas, filha de navegantes
Chorada na distãncia em fados de paixão
Colina da ternura à espera de emigrantes
Menina da saudade, mulher feita razão


Lisboa... 
Que foste à catequese na Moirama
Com cheiro de alecrim e alfazema
Vestida de papoila e manjerico
Lisboa... 

Fragata de trabalho, voz do povo
Gaivota de Camões e de Herculano
Noitada de Bocage em fado novo


Irmã deste meu Tejo, florida madrugada
Recanto da minh'alma que um sonho me quis dar
Guitarra do meu fado, Lisboa minha amada

Poema de uma vida que me propuz cantar

Lisboa... 
Pessoa de Fernando, amor guardado
No cofre da saudade do meu fado
Que canta o teu destino de ansiedade
Lisboa... 
Por mim sempre cantada e tão querida
Colcha de azul bebé da minha vida
Menina da saudade, que saudade