- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Derrocada

Fernando Farinha / Renato Varela *fado varela*
Repertório de Fernando Farinha


Onde estão os amigos que diziam
Ter por mim, amizade inabalável
Para quem eu, sem ver que me mentiam
Fui amigo sincero e fui prestável

Onde estão os patrões que disputavam
A troco de dinheiro, o meu valor
E que quando na rua me encontravam
Minhas mãos apertavem com calor

Onde estão os colegas verdadeiros
Por quem eu era sempre acompanhado
Aqueles meus antigos companheiros
Que adoravam andar sempre a meu lado

O velho artista, após ter-me contado
Da sua fama e glória, o triste fim
Despediu-se tristonho e apressado
Talvez p’ra não chorar ao pé de mim

E eu que compreendi o valor forte
Desta verdade amarga e tão atroz
Pensei no que será a minha sorte
Se algum dia perder a minha voz