- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Elegia do amor *C.Carmo*

Teixeira de Pascoaes / Alfredo Duarte *fado laranjeira*
Repertório de Carlos do Carmo

Lembras-te meu amor, das tardes outonais
Em que íamos os dois sózinhos, passear
Para longe do povo alegre e dos casais
Onde só Deus pudesse ouvir-nos conversar?

Olhavas para mim, ás vezes distraída
Como quem vê o mar á tarde, dos rochedos
E eu ficava a sonhar, qual onda adormecida
Quando o vento também dorme nos arvoredos

Falavas do luar, dos bosques, mais do amor
Dos ceguinhos sem pão, dos pobres sem um manto
Em cada tua palavra havia etéria dôr
Por isso a tua voz me impressionava tanto

E a lua para nós os braços estendeu
Uniu-nos num abraço explêndido e profundo
E levou-nos os dois com ela atá aos céus
Somente tu ficaste e eu regressei ao mundo