- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.570 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Oh fado não sei quem és

José Galhardo / Frederico de Freitas
Repertório de Lenita Gentil

Oh fado, torturado, tão magoado, quem te fez
Oh fado não sei quem és
Só sei que, ouvi-te um dia e chorei
Que ao encontrar-te encontrei a voz do amor português

Oh vida condoída, se eu dorida vou cantar
Oh vida, vens-me falar
A sós, quando o luar canta em nós
Na voz do fado oiço a voz da minha vida a chorar

Meu sonho tão risonho que eu suponho nem sonhar
Meu sonho, quero acordar
Volver de novo ao fado e sofrer
Porque sofrer é viver e eu vivo e sofro a cantar