- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Mas porquê de eu ser assim

António Cruz / Armando Machado *fado maria rita* 
Repertório de Ricardo Ribeiro 
Este tema é uma criação de Beatriz da Conceição com o título
*O meu fado* com música de José António Sabrosa

Mas porquê se eu ser assim 
Porque trago dentro em mim 
Tanta morte e tanta vida; 
Esta fogueira inconstante 
Ora chama crepitante 
Ora cinza arrefecida 

Quase sempre esta descrença 
Este estado de indiferença / Pela verdade ultrajada 
E de repente, esta fé 
Esta ãnsia de pôr de pé / Cada ilusão derrrubada 

Quase sempre a cobardia
Com que enterro no dia a dia / Meus velhos sonhos perdidos
E logo a fúria incontida
Com que esbofeteio a vida / Quando ela humilha os vencidos

Ai quem me dera ter paz 
Quem me dera ser capaz / De vos negar minha mão 
Atraiçoar um amigo 
Libertar-me do castigo / De te sentir meu irmão