- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.555 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado côr do sentimento

Letra e música de: Fernando Girão
Repertório de Joana Amendoeira

O fado não se ensina, não se aprende
É uma espécie de duende
Que domina a nossa alma / Que invade a nossa calma
E que mesmo esquecido
Vive num canto escondido / Á espera da sua hora

O fado é a côr do sentimento
Pode ser dôr e lamento
Mas também é alegria / É paixão e fantasia
É aquilo que nós somos
Nossas vidas, nossos sonhos / O que eu fui, o que fizermos

Quem vê o fado como coisa do passado
Não entende que esse fado é o agora do futuro
E até o traz na alma quem não quer
Não se manda no querer, nem se é dono da paixão