- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cruz de pedra

Silva Tavares / António Melo
Repertório de Alcindo de Carvalho

Quando passo á Cruz da Pedra, ai Jesus
Lembro sempre um coração
Coração de pedra dura, emotivo
Sem predão da minha cruz

É d’alguém que me despreza / E foi ele que me trouxe
Esta cruz que arrasta e pesa / Tal qual se de pedra fosse

Coração de pedra dura é o teu
Pois nada sente
Vai daí por desventura inclemente
Tem-me gasto o coração;
Como as águas da corrente
Gastam as pedras do chão

É mais rijo do que a pedra, para mim
Esse teu cruel desdém
Mas eu sei que não há pedra a que o tempo
Mal ou bem não ponha fim

Se o tempo tem bruxedo / Tudo apaga, tudo extingue
E algum dia, tarde ou cedo / Eu hei-de ter quem me vingue