As 5.156 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Como nos romances de cordel

Tiago Torres da Silva / Valter Rolo
Repertório de Liliana Martins 

Ai, Lisboa, quem me faz a corte? 
Ai. Lisboa, quem me quer casar?
Ai, Lisboa quem vai ter a sorte
Ai, de me levar ao altar?
 

Na Igreja de Santa Luzia
Fiz promessas que não vou cumprir
Eu prefiro ir à romaria
Namorar com quem me faça rir 

E se tu me atiras num piropo
Uma quadra ao gosto popular
É possível que eu não te dê troco
Se no final a quadra não rimar 

Um Manel por cada Maria
Dez Marias por cada Manel
Não me digas que eu fico p’ra tia
Como nos romances de cordel 

Se assim for, Lisboa que me minta
Sei que o tempo corre a meu favor
Mas depois que a gente chega aos trinta
Até o tempo perde o seu esplendor 

Quem me fez promessas de alegria
Foi prá guerra mas não vai voltar
Sempre soube que não voltaria
Mesmo assim, fartei-me de o esperar 

E agora vou pró bailarico
Vou de braço dado a mais ninguém
Mas sozinha em casa é que eu não fico 
Que a solidão nunca me caiu bem