- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Como nos romances de cordel

Tiago Torres da Silva / Valter Rolo
Repertório de Liliana Martins 

Ai, Lisboa, quem me faz a corte? 
Ai. Lisboa, quem me quer casar?
Ai, Lisboa quem vai ter a sorte
Ai, de me levar ao altar?
 

Na Igreja de Santa Luzia
Fiz promessas que não vou cumprir
Eu prefiro ir à romaria
Namorar com quem me faça rir 

E se tu me atiras num piropo
Uma quadra ao gosto popular
É possível que eu não te dê troco
Se no final a quadra não rimar 

Um Manel por cada Maria
Dez Marias por cada Manel
Não me digas que eu fico p’ra tia
Como nos romances de cordel 

Se assim for, Lisboa que me minta
Sei que o tempo corre a meu favor
Mas depois que a gente chega aos trinta
Até o tempo perde o seu esplendor 

Quem me fez promessas de alegria
Foi prá guerra mas não vai voltar
Sempre soube que não voltaria
Mesmo assim, fartei-me de o esperar 

E agora vou pró bailarico
Vou de braço dado a mais ninguém
Mas sozinha em casa é que eu não fico 
Que a solidão nunca me caiu bem