- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As carvoeiras

Rodrigo Mello / Frederico Valério
Repertório de Maria José Valério

Sem a cor das andaias (?) domingueiras
Sem o sol que tem as chitas
Ó Lisboa, sem favor
Como as tuas carvoeiras são bonitas

Olhai-as passando, gentis tutinegras
Por dentro tão brancas, por fora tão negras
As asas são ancas, num ritmo brando
Porque elas não pisam, deslizam voando

Ai venham ver
Venham ver as carvoeiras
Venham ver os olhos delas
Que maneiras têm de olhar
Ai venham ver
Dois carvões numa braseira
Que puseram à janela
Para o vento os atear

A correr muito cingida à ilharga
Muito à larga o coração
Tão bonitas são de ver
As varinas na descarga do carvão

Gigas baloiçando têm semelhanças
Com barcos vogando nas ondas das tranças
Travessas, gaiatas, correndo, voando

Os seios são ondas redondas arpando