- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ah fadista

Letra e musica de Carlos Paião
Repertório de Vasco Rafael

Vem o homem de lenço ao pescoço 
Ai a mão enfiada no bolso... ah fadista
Entra logo a cantar muito alto
As pessoas até dão um salto... ah fadista
Depois põe-se nos bicos dos pés
Disfarçando a sua pequenez... ah fadista
Fecha os olhos com ar concentrado
Ai a ver se ainda dorme um bocado... ah fadista

E, quando chega o refrão
Ele aperta o coração
E canta, co'a voz sofrida p'la emoção

Ai fado, tu tens o recado de tudo o que vejo
Do mundo alinhado num grande cortejo
Direito ao pecado no fogo dum beijo
Ai fado. não foste ensinado com pauta ou solfejo
Tu és engraçado, tu és um gracejo
Por seres tão prendado é que eu te desejo

Choradinho a mostrar como é 
Picadinho p'ra bater o pé... ah fadista
Volta e meia dá-lhe um arrepio 
Ai coitado do homem, tem frio... ah fadista
E os senhores das guitarras, sisudos
Lá resolvem os casos bicudos... fadistas
E o público está arrebatado
Há pessoas que caem pro lado.. ah fadista

E quando volta o refrão
Há quem rasteje p'lo chão
E ele canta, com raça e com comichão

E, quando chega o final
Os olhos já vêem mal
E grita duma maneira descomunal