- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ciganos

Pedro Homem de Melo / João Braga
Repertório de João Braga

Ciganos, vou cantar não a beleza
Dos vossos corações que não conheço
Mas esse busto de medalha e preço
Que nem é carne vã, nem alma acesa

Saúdo em vós o corpo unicamente
Desumano e cruel  como dum bicho
Em vós saúdo a graça omnipotente
Do lírio que ainda é flor por entre o lixo

Em vós saúdo pela poesia
Que nasceu pura e não se acaba mais
E pelo ritmo ardente que inibria
Meus olhos como frios que enlaçais

A vossa vida não pertence ao rei
Não mutilaste estradas verdadeiras
Quem ama a liberdade, odeia a lei
Que deu à terra a foice das fronteiras

E enquanto o aroma e a brisa e até as almas
Ficam irmãs das pérolas roubadas
As mãos dos homens que vos são negadas
Tremem quando passais, mas batem palmas