- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Senhor doutor

Letra e música de Jorge Fernando
Repertório de Jorge Fernando c/ António Zambujo

Troquei de curso não quis ser doutor
O estetoscópio não me faz feliz
Antes saber onde e como nasce o amor
Que eu darei conta do que me pedis

Traçarei linhas contendo o rigor
Tudo o que em sorte puder desvendar
Troquei de curso, não quis ser doutor
Para na escola do amor me formar

Mochila às costas, dei costas a tudo
Se a terra roda também quis rodar
Fechei à chave a gaveta onde o canudo
Jaz como um morto em jazigo sem ar

Cruzei as falas com um velho enrugado
Rosto sereno de poucas palavras
Disse saber só que o amor nasceu destinado
A ser as almas, as suas escravas

Mas também pode ser dado e se dar
A quem por bem o queira conhecer
E em vez de prender até pode libertar
A quem o tenha e o saiba entender 

Sabe-se pouco se o seu saber for
A teoria em si decorada
Só através do sentir-se sabe que é o amor
Basta-se a si, não precisa de nada

Olhou-me o velho com teu ar sisudo
Disse em verdade: nada sei do amor
Troco a fadiga frustrada pelo canudo
Pois é mais fácil chegar-se a doutor