- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fragata do Tio Bento

Helder do Ó / Casimiro Ramos *fado três bairros*
Repertório de Hélder do Ó

Fragata, rosa do rio
Ao sol, à chuva e ao frio
Sem fadiga nem canseira
Parece que estou a vê-la
Orgulhosa, de alta vela
À conquista da Ribeira

O patrão vem da lezíria
Troca palavras de gíria / P’lo sal da vida que traz
Tem nas mãos rugas de amor
E tempera com suor / As queixas que o rio lhe faz

Recordo-me do Tio Bento
Que em dias de pouco vento / Que não dava p’ra zarpar
Contava histórias da lida
Que o prenderam à vida / Com sonhos de alto mar

Meu Tejo, ficaste pobre
Sem a tua fragata nobre / Emblema desta cidade
À Ribeira já não voltas
A vida virou-te as costas / Deixaste em mim a saudade