- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.485 LETRAS <> 2.524.500 VISITAS <> JULHO 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O cavador

José Fernandes Badajoz / Duarte Machado
Repertório de Nuno de Aguiar

Mal rompe a madrugada 
Ponho ao ombro a minha enchada / Vou p'ro campo trabalhar
É assim a minha lida 
Porque gosto dessa vida / Nunca a poderei deixar

Quem no campo labutar 
É que sabe avaliar / O que custa a nossa arte
Quem o trabalho conhece 
Vê que o cavador merece / Elogio em toda a parte

O pobre trabalhador passa a vida atribulada
Desde manhã ao sol-pôr a puxar pela enchada
Sempre, sempre a trabalhar, é assim nosso viver
Se não podemos ganhar, já não temos de comer

Há quem diga por supor 
Que o pobre trabalhador / É rude e não sabe nada
Que é uma ideia embrutecida
Pois somente leva a vida / A puxar pela enchada

Sabemos compreender
Que é bonito saber ler / E que é bom ser educado
A sorte é que nos ilude

Mas não tem nada ser rude / Para ser homem honrado