- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ala arriba

Manuel de Almeida / José Pereira “fado clarim”
Repertório de Nuno de Aguiar

Ala arriba é o grito dos poveiros
Que o mar misterioso lhes quer roubar
O grito dos fortes aventureiros
Heróis dos sacrifícios além mar

Lá partem nos veleiros, sorridentes
Na conquista de pão e de agasalho
E os calos que mostram avaramente
São medalhas sagradas do trabalho

Arriba... éo grito, o murmurar
Dos velhos lobos do mar nas tempestades de além
Arriba... tem cuidado ó pescador
Olha que o mar é traidor e não respeita ninguém

Oh almas peregrinas daqui vos louvo
Dos loucos vendavais com emoção
Filhos do povo que lutam pelo povo
Escravos do dever e da razão

Já vibra na alvorada o raio profundo
Da marcha triunfante do regresso
E os seus músculos sagrados são no mundo
As fortes alavancas o progresso