- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Grito calado

Carlos Leitão / Fontes Rocha *fado lavava no rio*
Repertório de Carlos Leitão

A saudade está mais fria
Tenho perdido a alegria
De te amar eternamente
Resgato o meu coração
Dia a dia, na ilusão
De te esquecer francamente

O tempo mentiu à sorte
Prometeu-lhe a doce morte / Deste amor ensanguentado
Sobraram feridas abertas
Meia duzia de horas certas / E um regresso ignorado

Fomos um sonho tardio
Amantes em desvario / Mais um sol sobre a cidade
Foste um destino sem volta
E quando o corpo me solta / Faço amor com a saudade

È mais um fado dolente
De uma revolta indiferente / Feita de mim, do meu medo
È mais um grito calado
Feito d’esperança e passado /P’ra te cantar em segredo