- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ai amigos quem me dera

Domingos Gonçalves Costa / Raul Ferrão
Repertório de Fernanda Maria 

Ai amigos quem me dera
Viver no tempo passado
Em que a Maria Severa
Era a rainha do fado

Poder cantar ao desafio
À luz do luar, noites a fio
Com malta fixe da boémia e do passado
Correr enfim, toda a Lisboa
A Mouraria, a Madragoa
Mostrar contente a toda a gente o nosso fado

Ir em qualquer traquitana
De rosas toda enfeitada
Até ao Campo de Santana
A uma castiça toirada

Depois voltar à linda Alfama
E junto ao mar que tanto ama
Eu cantaria a serenata mais bairrista
Após raiar o novo dia
Ia descansar prá Mouraria
Louvando a Deus, amigos meus, por ser fadista