- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.240 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.053.000 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

.

Canção da última idade

Letra e música de Carlos Paião
Repertório de Pedro Vilar

Texto declamado
Um dia falei de sonhos a quem sonhou que vivia
Passou por dias risonhos mas, no fundo, não sabia

Andou nas sombras da vida atrás da vida banal
Perdeu o amor à partida, nada ganhou no final

Amigos que tem, são poucos, ninguém lhe empresta calor
Porque ele chora e os outros não querem saber da dor

Olhei para tudo e vi os sonhos que não viveu
Chorei, quando percebi que o sonhador era eu


Ai... há quanto tempo foi que o mundo me largou
E deste lado vejo o sol que me arrastou
Há quanto tempo fico assim olhando o sonho atrás de mim
E vendo cada dia a aproximar-me mais do fim

Deus... com quantos braços trabalhei a vida inteira
Que tenho eu hoje, que mereça tal canseira
Não tenho nada do que quis, onde ficou tudo o que fiz
Será que já não posso ter esperança em ser feliz

Enquanto o sonho é louco não há horas p'ra pensar
Agora o tempo é pouco, só me resta recordar
Os anos em que a vida era um prazer
E o sonho não parava de crescer:
Eu era fadista nos momentos de lazer
Cantava um fadinho p'ra esquecer

Ai... agora é tarde p'ra vencer a solidão
De nada serve ter um verso em cada mão
Não quero a pena de ninguém, a culpa é minha, eu sei-o bem
Somente gostaria de sentir-me sempre alguém

Enquanto o sonho é louco não há horas p'ra pensar
Agora o tempo é pouco, só me resta recordar;
Os anos em que a vida era um prazer
Cantando un fadinho p'ra esquecer
E o sonho não parava de crescer