- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Balada dos desejos impossíveis

Fernando Pinto do Amaral / António Zambujo
Repertório de Carolina

Pudesse o nosso coração
Ser mais que o lume dos sentidos
Pudesse eu dar-te a minha mão
Quando estivéssemos perdidos
E ver nos gestos proibidos
Do corpo a única certeza
Até ficarmos confundidos
Já para além da natureza

Pudesse a noite mais escura / Abrir na lenta madrugada
Uma promessa de aventura / P'lo nosso sangue iluminada
E nessa febre desesperada / Eu visse enfim, nascer o dia
Até que o nosso próprio nada / Fosse matéria de alegria

Pudesse aquilo a que chamamos / Amor, paixão, ou só desejo
Ser mais real quando roubamos / À morte, o nosso último beijo
Talvez então a luz do Tejo / Fosse outra luz reflectida
Plo teu rosto que mal vejo / E fosses tu a minha vida