- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eu não me chame Lisboa

Mário Rainho / Eugénio Pepe
Criação de Filipa Cardoso *revista: Lisboa amor perfeito*

Andava desconfiada / Que ele me saía de casa
Quando eu já estava deitada / É que ele me batia asa

Um dia, de olhar cerrado / Deixei-o sair da cama
Segui-o em passo apressado / E vi que o meu fado

Foi para Alfama

Eu não me chame Lisboa
Se o deixo à toa... a fadistar
Uma mãe sempre perdoa
Mas o menino... anda a abusar
Eu não me chame Lisboa
Muito que doa... vê-lo amuado
Porque mais, que ser bairrista
Que ser fadista... sou mãe do fado


Morámos na Mouraria / Aí, bem o controlava
Quando de casa saía / Logo o meu fado encontrava

Pra não armar um sarilho / E antes que o perca de vista
Vou cantar com o meu filho / 
Fado, com estribilho

Numa revista