- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Madrigal para Amália

Letra e musica de António Pinto Basto
Repertório de António Pinto Basto

Senhora, os madrigais andam perdidos
Ardendo em labaredas lisonjeiras
Nos decotes, nas rendas, nas pulseiras
E mesmo junto à cauda dos vestidos

Reina a febre do amor, a febre intensa
Mas há mais de um rapaz, segundo eu creio
Que arrisca um madrigal, um galanteio
Sem ter por incentivo a recompensa

E quem a regras tais não é sujeito?
Pois, seja por bondade ou desvario
Todos temos, senhora, igual feitio
Herdamos todos nós este defeito

Por isso, como um pajem de aventura
Venho, junto às ameias dessa glória
Acrescentar um grito de vitória
No castelo da vossa formosura

E clamarei aos céus, em altos brados
Com mística e sonora linguagem
Que fui eu o autor desta homenagem
À musa inspiradora dos meus fados

Pois eu, mesmo tão modesto entre os humanos
Daria com certeza, os meus carinhos
Se em vez de cruzar hoje, estes caminhos
Tivesse aqui passado há alguns anos