- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O hábito não faz o monge

Carlos Conde / Pedro Rodrigues
Repertório de António Jorge

Quem não gostar de me ver
Na modéstia do trajar
Não me tente deprimir
Nunca deixei de comer
P’ra ter vaidade
em mostrar
Certo
luxo no vestir

Sei que a riqueza é um bem
Mas eu prefiro a alegria / Que por vezes me rodeia
Não tenho inveja de quem
Traz a barriga vazia / P’ra ter a carteira cheia

Os que mostram grande aumento
Sem ter norma definida / Vivem de artes, de segredos
Não sacrifico o sustento
Nem deixo o prazer da vida / P’ra ter brilhantes nos dedos

Dispenso, não quero ter
As prosápias de grandeza / Nem as fortunas sem fim
Um dia, quando eu morrer
Basta que deixe a riqueza / Que me deixaram a mim

Trajo sem mera vaidade
Que o vestir modestamente / Não inspira mal profundo
Eu ando à minha vontade
Ao passo que certa gente / Anda à vontade do mundo