- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cais noturno

Fernando Campos de Castro / Pedro Rodrigues
Repertóio de Alzira Afonso
     
Prendi num canto sombrio      
Do cais solitário e triste
O barco do pensamento
Deitei amarras ao rio
E sobre o cais negro e frio
Ganhei a forma do vento

Fui longe por entre a bruma / Sozinha na madrugada
Sem ter saído dali
E sem haver praia alguma / Fiz uma cama d’espuma
Onde ansiava por ti

Na noite havia gemidos / E o respirar ofegante
De gaivotas sobre a água
E nos meus cinco sentidos / Havia sonhos erguidos
Aos sonhos da minha mágoa

Vieste já madrugada / Com asas feitas de vento
Sobre uma onda perdida
E a tua boca salgada /Galgando a noite fechada
Foi o cais da minha vida