- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Diz-me quem mora contigo

José Luís Gordo / Arménio de Melo
Repertório de Hélder Moutinho

Diz-me quem mora contigo
Quem dorme na tua cama
Quem te abre o teu postigo
Com que voz te chama Alfama

A quem te dás tu num beijo / A quem te dás tu, Lisboa
Dás-te de certeza ao Tejo / Como se foras canoa

Usas como fantasia / Anéis de oiro e marfim
No Rossio, todos os dias / O teu peito é um jardim

A liberdade da vida / Vive nos Restauradores
Na saia augusta garrida / Barras de todas as cores

Os teus brincos, cacilheiros / Num constante vai e vém
Alcache de marinheiros / No teu peito fica bem

E neste amor de verdade / Que levo p’ra todo o lado
Dona da minha saudade / Toda vestida de fado