- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Bairro afamado

Mote: Francisco Radamanto / Glosa de: Conde Sobral / Popular *fado corrido*
Repertório de Fernando Maurício

Não tenham medo da fama
De Alfama mal afamada
A fama às vezes difama
Gente boa, gente honrada


Fadistas venham comigo / Ouvir o fado vadio
E cantar ao desafio /
Num castiço bairro antigo
Vamos lá, como eu lhes digo /
E hão-de ver de madrugada
Como foi boa a noitada

No velho bairro de Alfama

Eu sei que o mundo falava /
Mas por certo, com maldade
Pois nem sempre era verdade /
Aquilo que se contava
Não tenham medo da fama
De Alfama mal afamada


Muita gente ali, levava / Vida sã e sossegada
Sob uma fama malvada /
Que a salpicava de lama
A fama às vezes difama
Gente boa, gente honrada