- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Que perguntas faz o fado

Nuno Gonçalves da Paula / Carlos da Maia *fado perseguição*
Repertório de Sandra Correia

Se perguntas onde estive
Ou se vais para onde vou
É melhor tu ires sózinho
Pois se é assim que vive
Quem ama, mas não amou
Sigo por outro caminho

Se perguntas pelo mundo / Eu te digo que não basta
Porque a vida é que manda
Mata tudo num segundo / Nem o corpo se afasta
A tais leis de quem comanda

Se perguntas pela morte / Te pergunto mais p’la dôr
Porque da morte não sinto
Os caprichos desta sorte / Em que apenas sei a cor
Do que sou, e eu não minto

Se perguntas isto tudo / E do rosto tão zangado
Faz comigo uma aposta
Agora já não me iludo / Que perguntas faz o fado
Pois eu sei qual a resposta