- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sou apenas teu amigo

Rosa Lobato Faria /Alfredo Duarte *fado bailado*
Repertório de Carlos Zel

Sou apenas teu amigo
Do que sinto nada sabes
Mas queria viver contigo
Dentro dum campo de trigo
Com perfume de lilazes

Quando sorris, indiferente / Dos meus fados de paixão
Queria morrer de repente
Tornar-me em estrela cadente / E pousar na tua mão

E quando vejo chorar / Teus olhos cor das marés
Para não te incomodar
Queria poder desdobrar / Meu coração, a teus pés

Mas quando tu me procuras / P’ra confidente e amigo
Ouvindo as tuas loucuras
Esqueço as minhas amarguras / Consolo-te e nada digo
De coração às escuras
Amordaçado em ternuras 
Sou apenas teu amigo