- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado do fado

António Tavares Teles / Tó Zé Brito
Repertório de Rodrigo

O fado tem um fado, um destino
Desde menino, ser português
Nasceu num bairro antigo de Lisboa
Não foi á escola, mal sabe ler

Deu os primeiros passos lá na rua
Cresceu á toa pela cidade
E a primeira palavra que aprendeu
Nunca a esqueceu, foi a saudade

Mas saudade de quê? pergunta a gente
Que o fado sente
Que o fado sente
Sem perceber porque é que o fado há-de
Ter tal saudade
Ter tal saudade
Se a vida nunca lhe deu coisa boa
Nasceu na rua e não é burguês
Saudade, só se fôr do seu destino
Desde menino
Ser português

O fado tem um fado, um destino
Desde menino que é, fado ser
Cresceu do Bairro Alto á Madragoa
Ganhou escola e altivez

Deu os primeiros passos lá na rua
Cantou á toa pela cidade
A primeira palavra que aprendeu
Nunca a esqueceu, foi a saudade

O fado tem um fado, um destino
Tem um destino que é, fado ser
Mas tem outro destino, outr fado
Que é ser cantado p'ra não morrer