- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Senhora do Fado *Amália*

Tributo de Fernando Campos de Castro

No fado trespassado em tua voz
Mostraste ao mundo a dor e a tristeza
De tudo tudo quanto existe em nós
Mulher de corpo e alma portuguesa

Ultrapassaste o mar e a fronteira
Da terra mais distante do globo
Vestindo o verde rubro da bandeira
Cantaste o sangue esperança do teu povo

No fundo dos teus olhos vi um lago
Cercado de palavras inquietas
E vi nas tuas mãos a dor que trago
A dor com que nos vestem os poetas

Tu foste a minha irmã a mais amada
A voz onde Camões ainda existe
Inês intensamente apaixonada
Que nos sorriu cantando e era triste

Amália

Mulher corpo onde mora
A alma deste povo verdadeiro
Ai Amália minha irmã
Nossa Senhora do fado
Do fado português do mundo inteiro