- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ai fado fadinho

Jorge Morais Rosa
Repertório de Vasco Rafael


Ai fado, fado, fadinho / Que p’lo caminho a fadistagem
Transformava com carinho / Dentro da sua bagagem
Um dia foi preterido / Desiludido desapareceu
E foi esquecido, esquecido / Que anos e anos viveu

Mas mudam-se os tempos
Muda a vontade
Soprou saudade, reapareceu
Mas não sei o que lhe deu
Que lhe deu p’ra ter vaidade;
E aquela canção dos pobres
Ganhou ares nobres, pôs apelidos
Mas os seus cinco sentidos
De tão perdidos, perdidos
Nem de candeia os descobres

Ai fado, fado, fadinho / Arumadinho como hoje estás
Não vais loge, eu adivinho / Que ainda voltas atrás
Despe-me essas vestimentas / Que agora inventas p’ra dar nas vistas
Com elas não alimentas / Os sentimentos fadistas