- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

De xaile e lenço

Mascarenhas Barreto / Santos Moreira *fado moleirinha*
Repertório de José Freire


Essa tricana que ali vai de xaile e lenço
Amei em tempos com paixão de adolescente
E mesmo agora quando passo e nela penso
Sinto na alma um sentimento bem pungente

Éramos jovens em manhã de primavera
Que já não volta, e ainda hoje me arrependo
De xaile e lenço, ela lá vai tal como era
E eu tão mudado, que nem mesmo compreendo

O nosso amor, todos diziam condenado
E que entre nós estava cavado um fosso imenso
E cada um foi tristemente p’ra seu lado
Eu de batina de estudante, e ela de lenço

E nesta hora em que o outono se avizinha
E os sonhos vão c’oas folhas secas no seu baile
Recordo o tempo em que essa moça era só minha
E a minha capa apenas era do seu xaile