- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lenda da Amendoeira

Carlos Conde / Gabino Ferreira
Repertório de Gabino Ferreira

Quem passar a hora morta / P’la Rua da Amendoeira
Repare bem numa porta / Com dois degraus de soleira

P’lo postigo ou através / Da janela em gilhotina
Vê-se uma cruz e a seus pés / A luz duma lamparina

Á mesma altura
Smples discreto
Um xaile preto

Com franjas velhas;
Um retrato sem moldura

E uma lira sem cravelhas;
A casa é tão pequenina

Que não falta quem não deite
Mais uma gota de azeite

No copo da lamparina

Diz a lenda e toda agente / Que a guitarra, certo dia
Fez um fidalgo valente / Ajoelhar na Mouraria

E o retrato que em verdade / Ninguém sabe de quem é
Não é mais do que a saudade / Que se sente e não se vê