- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.555 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lenda da Amendoeira

Carlos Conde / Gabino Ferreira
Repertório de Gabino Ferreira

Quem passar a hora morta / P’la Rua da Amendoeira
Repare bem numa porta / Com dois degraus de soleira

P’lo postigo ou através / Da janela em gilhotina
Vê-se uma cruz e a seus pés / A luz duma lamparina

Á mesma altura
Smples discreto
Um xaile preto

Com franjas velhas;
Um retrato sem moldura

E uma lira sem cravelhas;
A casa é tão pequenina

Que não falta quem não deite
Mais uma gota de azeite

No copo da lamparina

Diz a lenda e toda agente / Que a guitarra, certo dia
Fez um fidalgo valente / Ajoelhar na Mouraria

E o retrato que em verdade / Ninguém sabe de quem é
Não é mais do que a saudade / Que se sente e não se vê