- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Catraia do Porto

Frederico de Brito / Fernando de Carvalho
Repertório de Alberto Ribeiro

Essa linda florista / 
Do mercado do Bolhão
A catraia mais trocista / Que prendeu meu coração

Fontaínhas, a Ribeira / 
E o Bonfim, eram só dela
Tinha a graça e a maneira / De andorinha tagarela

Catraia bonita
De blusa de chita, saiote de lã
Dois olhos, dois sonhos
E uns lábios risonhos da cor de romã
Visão que enternece
E o Porto conhece por vê-la passar
Perfil agareno
De lírio moreno aberto ao luar

Desde a Praça da Batalha / 
Até à Serra do Pilar
Queimam sonhos na fornalha / Dos seus olhos de encantar

E da Foz à velha Sé / 
As areias do caminho
Sob o rasto do seu pé / Diziam muito baixinho