- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado do miradouro

Ary dos Santos / Alfredo Duarte *fado versículo*
Repertório de José Manuel Osório


Do alto do miradouro / da cidade
Com olhos molhados vejo / o que eu adoro
De cabelos cor de ouro / mocidade
Da Lisboa mira tejo / onde eu moro

Da Lisboa mira mágoa / onde eu penso
Com a chita dos telhados / a cobrir
Descosida á beira água / o rio imenso
Em vestidos já cansados / de vestir

De Lisboa mira dor / mas feita gente
Aberta blusa de vento / marinheiro
Talhada em fado menor / amargamente
Caseada a sofrimento / verdadeiro

De Lisboa mira céu / incendiada
No azul da madrugada / que nasceu
De Lisboa que sou eu / apaixonada
Mulher do povo sem nada / que se ergueu

De Lisboa mira espaço / sem limite
Abrindo cada janela / á liberdade
Para que á força do braço / não hesite
E o fumo seja dela / de verdade

Em Lisboa mira Abril / que é primavera
Mesmo no fado menor / que tanto dói
Somos muitos, muitos mil / todos á espera
Duma esperança que é maior / que sempre foi