- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

De quando em vez

Mário Raínho / João Maria dos Anjos
Repertório de Ana Moura

De quando em vez lá te entregas
Nesse sim em que te negas
Ou nesse não que me é tanto;
Não te pergunto os porquês
Deste amar de quando em vez
Ou talvez de vez em quando

Quase sempre de fugida
Como criança escondida / Nosso amor brinca com o fogo
Se queremos dizer adeus

Porque dizemos *Meu Deus* / Simplesmente um *até logo*

E o enleio continua
À mercê de qualquer lua / Que nos comanda os sentidos
E a paixão que não tem siso
Deixa-nos sem pré-aviso / De corpo e alma despidos

Por teimosia ou loucura
Algemamos a ventura / Do amor em nós reencarnando
Prefiro, como tu vês
Amar-te de quando em vez / Ou talvez de vez em quando