- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Crítica da razão pura

Nuno Miguel Guedes / José António Sabrosa*fado velho* 
Repertório de Ana Moura 

Porque quiseste dar nome 
Ao gesto que não se diz 
Ao jeito de ser feliz 
Porque quiseste dar nome? 

 De que te vale saber / De que é feita uma paixão 
As estradas de um coração / De que te vale saber? 

 Porque quiseste pensar / Aquilo que apenas se sente 
O que é alma luz e gente / Porque quiseste pensar? 

Diz onde está a razão / Daquilo que não tem juízo
Que junta o choro e o riso / Diz onde está a razão?

Porque quiseste entender / O fogo que fomos nós?
Meu amor, se estamos sós / Foi porque quiseste entender