- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Bom dia tristeza

José Luís Perales / Adaptação: Rosa Lobato Faria
Repertório de Dulce Guimarães

No dia em que chegaste junto a mim
Com armas e bagagens pelo chão
Olhaste-me nos olhos e… por fim
Beijaste docemente a minha mão

Até de madrugada te escutei
Falaste de saudade e solidão
E quando já cansada, despertei
Estavas dentro do meu coração

Bom dia tristeza,
Senta-te junto a mim
E diz tu se conheces
Alguém que seja feliz;
Se sabes onde mora
Abranda-me esta dor
Mas, por favor, não digas
Que o seu nome é amor

No dia em que chegaste devagar
Voaram tantos sonhos duma vez
Os teus q’inda viviam sem lutar
Os meus que já morriam sem querer

Agora estou contigo e sabes bem
Que vivo a tua única mercê
Às vezes a cantar não sei p’ra quem
Às vezes a chorar não sei porquê