- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

BARRA DE PESQUISA

Mau caminho

Frederico de Brito / Ferrer Trindade
Repertório de Beatriz da Conceição

Não sei que pensas, nem me importa
Se passei á tua porta foi por maldito costume que não passa
Eu sei que julgas que é certo
Mais do que eu que me perco no caminha da desgarça

Maldita, mil vezes maldita
Seja a hora em que nos vimos
Perdemos o encanto, vaidade
Agora ninguém acredita
Que ao saber que nos traímos
É que vimos a maldade

Não sei que pensas, nem me importa
Uma esperança não suporta desenganos que lhe dei, que eu bem sei

Fui louca, fiei-me numa jura, mas coitada, nessa altura
Fiz de ti senhor e rei, porque amei
Agora obrigas-me a passar
Pela rua da amargura que eu não queria recordar