- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado recordado

Letra e música de Carlos Alberto França
Repertório de Rodrigo


Brincar no passeio 
Era o meu recreio nos tempos de então
Bibe de xadrês
Sem nada nos pés, jogando o pião
E na vila ao lado
Já sem ter telhado, havia uma adega
Onde se saltava à corda 
E brincava sempre à cabra-cega

Na rua onde moro há coisas que adoro 
Já desde petiz
Quando ía c’oa bilha a Zefa e a filha
Lá p’ro chafariz
Tal como o pregão daquela garota 

Vendendo figuinhos de capa rota
Na rua onde moro 

As coisas que adoro fazem-me feliz

Tudo isto é passado
Mas mesmo acabado na memória fica
Mesmo a mulherzinha 
Que de manhãzinha vendeu fava-rica
E de tarde, às vezes
Chamando os fregueses com voz meia-morta
Eu via passando 

Um homem gritando; erro velho à porta

Na rua onde moro há coisas que adoro 
Já desde petiz
E hoje tenho mágoa de não ir á água 

Lá ao chafariz
Desfile de povo de que a gente gosta

Pregão de varinas; ó viva da costa
Na rua onde moro 

As coisas que adoro fazem-me feliz

Desfile de povo de que a gente gosta
Pregão de varinas; ó viva da costa
Na rua onde moro

De saudade eu choro tempo tão feliz