- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Anda o fado noutras bocas

Letra e música de Artur Ribeiro
Repertório de Carlos Ramos

Andei pela Mouraria / Nas tascas de antigamente
Mas o fado estava ausente / Mudou de lá, quem diria

E corri Lisboa inteira / Até encontrar o fado
Porém achei-o mudado / Cantado d’outra maneira

Chorai fadistas chorai
Como dizia a cantiga
E se uma guitarra amiga
Trinar em tom magoado
Cantai fadistas, cantai
Com vossas gargantas roucas
Que anda o fado noutras bocas
Que não são bocas p’ro fado

Agora de madrugada / Eu oiço por todo o lado
Noutras bocas, outro fado / Que de fado não tem nada

E choro então o passado / Dos fadistas que morreram
Ouvindo alguns que nasceram / P’ra tudo, menos pró fado