- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vem como és, amor

Vasco Lima Couto / Armindo Fernandes
Repertório de Alice Maria

Não esperes que eu seja
Aquela gota d’água que circula
No lugar onde a sombra está sozinha
Não esperes que eu veja
A solidão da árvore que ondula
Quando o teu corpo livre me encaminha

Vem como és amor. perdendo ruas, casas e lugares
Para o vento te guiar á despedida
Não te fique o sabor, o amargo sabor de só me achares
Depois de morto o coração da vida

Não esperes que eu cante
Mais que este mar que eu dou á poesia
Calcando as areias do meu pensamento
Que o meu sonho é emigrante
Que se não parte a desenhar o dia
Na boa noite amargurado e lento