- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado da serra

Ary dos Santos / Joaquim Luíz Gomes
Repertório de Carlos do Carmo

Minha serra, cabeça de altas montanhas
Nevada de altas tormentas, rebanho de dores tamanhas
Minha serra de casas tristes e escuras
Quase negras, das cinzentas lareiras das amarguras

És moça raiana, saia de cambraia
Estrela que a manhã raia
Oração profana dirigida ao céu
Estrela dum céu que não é meu

Minha serra, neve, cajado, pastor
Força dum homem sózinho que só do cão tem amor
Minha serra, meu amor deixado na lã
Numa cama maior, que há-de ser cobertor do calor de amanhã

És moça raiana, saia de cambraia
Estrela que a manhã raia
Oração profana dirigida ao céu
Estrela dum céu que chama

Minha serra, altura do sofrimento
Aos ombros dos homens mais puros, és mais alta que o vento
Minha serra escalada como uma igreja
Aos ombros dos homens mais duros para que esta terra seja

És moça raiana, saia de cambraia
Estrela que a manhã raia
Oração profana dirigida ao céu
Estrela dum céu que é meu