- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O que fôr há-de ser

Letra e musica de Dulce Pontes
Repertório de Kátia Guerreiro

Seja o que for que o amor me traga
Sei que é a primeira neste inverno
Ver que o olhar é de pequenas rugas
E de flores, tão terno

Sonhar seu beijo na fronte
A luz no horizonte como um primeiro raio de sol
Sentir por dentro da calma
A paz e a alma dos que não estão sós

Linda ciranda, ciranda linda
Gira que gira e torna a girar;
Quando eu morrer, ó ciranda linda
Deixa um luzeiro p'ra que eu possa ver

E sempre á volta a girar, sempre envolta no ar
De alma solta a te amar, para sempre a girar
Meu amor, meu amor
O que fôr há-de ser